DOC

FORMACAO

By Tony Graham,2014-07-19 20:13
6 views 0
FORMACAO

    Escola Superior de Enfermagem de São João

    Ano complementar de formação em Enfermagem

    Acção de formação sobre os Registos de enfermagem e a

    Classificação Internacional para a Prática De Enfermagem

     Elaborado por: Susana Cristina Marques Pereira

     Pedro José Oliveira da Silva

    0 Introdução

    Esta acção de formação insere-se nas actividades propostas no nosso projecto de estágio no Centro de Saúde de Arcozelo e surgiu da nossa motivação para estudar a temática dos Registos de Enfermagem e da linguagem da CIPE.

    Consideramos que a elaboração deste trabalho para além de nos permitir aumentar os nossos conhecimentos acerca deste tema, poderá trazer benefícios ao nível da prática clínica do Centro de Saúde de Arcozelo, se potenciar a melhoria da qualidade dos Registos que os Enfermeiros desta Unidade produzem.

    Para suportar este trabalho fizemos uma observação atenta dos registos efectuados pelos enfermeiros da unidade de Arcozelo e auscultamos a opinião dos mesmos acerca dos registos através de abordagens informais. Fomos recebidos pela Enf. Margarida da Sub-região de Saúde do Porto que nos esclareceu algumas dúvidas.

    Após isto, chegamos à conclusão de que existem vários aspectos que devem ser melhorados no sistema de registos adoptado neste Centro. Esses aspectos são:

    - Existência de um arquivo clinico integrado de dados do utente.

    - Impressos de Enfermagem completos e adequados.

    - Utilização de uma linguagem comum para a prática de Enfermagem.

    Quanto à necessidade de seguir uma linguagem comum na prática de Enfermagem esta será evidente se os enfermeiros elaborarem os seus próprios impressos de colheita de dados e de documentação dos cuidados (planos standard).

    Por esta razão e porque a ARS Norte adoptou a Classificação Internacional para a Prática de Enfermagem como suporte para o desenvolvimento do módulo informático para a Enfermagem, decidimos aprofundar este tema na acção de formação.

    Porto, 28 de Junho de 2000

    1- Planeamento da Acção de formação

População Alvo: enfermeiros do Centro de Saúde de Arcozelo.

Duração: 1 hora

Local: sede do Centro de Saúde de Arcozelo.

    Data: A acção de Formação consistirá numa sessão a realizar-se no dia 29 de Junho.

    Finalidade: Esta acção de formação insere-se no âmbito do estágio desenvolvido por Pedro Silva e Susana Pereira para o Ano Complementar de Licenciatura em Enfermagem da Escola Superior de Enfermagem de São João.

    Sendo assim, pretende-se:

    - Focar os aspectos que melhorariam a elaboração e consulta dos registos de

    Enfermagem

    - Sensibilizar a equipa para a importância da utilização de uma linguagem comum.

    - Dar a conhecer a Classificação Internacional para a Prática de Enfermagem.

    Metodologia: a abordagem será expositiva e participativa. Como meios auxiliares pedagógicos será utilizada a retroprojecção de transparências; será fornecido o suporte teórico do trabalho e uma tradução da lista dos termos do eixo A dos fenómenos de enfermagem (ver anexo).

Sumário

    0 - Introdução do tema e do grupo

    1 - Aspectos facilitadores dos Registos de Enfermagem

    2 - A Classificação Internacional para a Prática de Enfermagem (CIPE) como linguagem

    comum

    2.1 Objectivos

    2.2 Critérios usados no seu desenvolvimento

    2.3 Arquitectura das três pirâmides (eixos) da CIPE

    - Fenómenos de Enfermagem

    - Intervenções de Enfermagem

    - Resultados de Enfermagem (Outcomes)

    Transparências da Acção de formação

Finalidades desta acção de SumárioFormação

    1 Aspectos facilitadores dos Registos de

    Enfermagem

    Focar os aspectos que melhorariam a

    elaboração e consulta dos registos de 2 A Classificação Internacional para a Prática Enfermagem.de Enfermagem (CIPE) como linguagem Sensibilizar a equipa para a importância da comumutilização de uma linguagem comum.2.1ObjectivosDar a conhecer a Classificação Internacional 2.2Critérios usados no seu desenvolvimentopara a Prática de Enfermagem.2.3Arquitectura das três pirâmides (eixos) da

    CIPE

    -Fenómenos de Enfermagem

    -Intervenções de Enfermagem

    -Resultados de Enfermagem(Outcomes)

    Aspectos facilitadoresdos Aspectos facilitadoresdos

    registos de Enfermagemregistos de Enfermagem

    Impressos de Enfermagem completos e Existência de um arquivo clinico integrado de

    dados do utente.adequados.

    -actualmente os arquivos são sobretudo -Elaborar folhas de avaliação inicial para constituídos por dados médicos.facilitar a identificação dos problemas.-não é funcional consultar os arquivos visto

    estes se encontrarem nos gabinetes médicos.-As únicas folhas que contemplam a -isto implica o desenvolvimento do processo colheita de dados são para uso médico. de Enfermagem.Estes impressos por serem incompletos e

    inadequados à prática de Enfermagem -isto implica o desenvolvimento de um sistema dificultam o levantamento dos problemas.de documentação coerente com impressos que

    evitem a duplicação de dados.

    Aspectos facilitadoresdos Aspectos facilitadoresdos registos de Enfermagemregistos de Enfermagem-As fichas de registo de cuidados de Utilização de uma linguagem comum para a Enfermagem existentes apenas permitem prática de Enfermagem.um registo narrativo das condições de saúde dos utentes o que exige um grande tempo de leitura para a consulta de -os enfermeiros têm dificuldade em encontrar determinado dado.as designações para os problemas

    identificados, as acções a efectuar e os -Apenas o item da educação para a saúde resultados das mesmas por não utilizarem um se encontra padronizado nas fichas de vocabulário padronizado. registo de cuidados de Enfermagem.

    -Grande parte das intervenções de Enfermagem ficam registadas nas guias de tratamento que não fazem parte do processo do utente, levando a perda de informações importantes.

    Proposta

    Classificação Desenvolvimento dos impressos de

    Internacional para a avaliação inicial e de registo dos cuidados

    de Enfermagem com base na Prática de esquematização e no uso de uma

    linguagem comum.Enfermagem

    (CIPE)

    Critérios usados no seu Objectivos da CIPE/ICNPdesenvolvimento

    -Suficientemente abrangente para responder aos Estabelecer uma linguagem comum.múltiplos objectivos definidos pelos diferentes países.

    Descrever os cuidados de enfermagem.-Suficientemente específico para ser entendido pelos prestadores de cuidados como uma Comparar dados de enfermagem.descrição significativa da prática e como um recurso útil de estruturação da prática.Demonstrar as tendências em enfermagem.-Consistente com os quadros conceptuais definidos mas não dependente de um quadro Estimular a investigação.teórico ou modelo de enfermagem específico.

    .Fornecer informação à tomada de decisão

    política.

    Critérios usados no seu Eixos da CIPE/ICNPdesenvolvimento

    -Elaborado através de um processo contínuo de

    desenvolvimento e aperfeiçoamento.

    -Sensível àvariabilidade cultural.

    CIPE

    -Reflexo de um sistema de valores comuns da Fenenos de Enfermagemenfermagem para os enfermeiros do mundo

    expresso no código ICN.Intervenes de Enfermagem

    Resultados de Enfermagem (Outcomes)-Aplicável em complementaridade ou em

    integração com outras classificações

    desenvolvidas

    Eixos Classificação dos CIPE / ICNP -Classificação dos

    Fenómenos de EnfermagemFenómenos de Enfermagem

    enos de EnfermagemFenFenómeno de Enfermagem:Aspecto de saúde relevante para a prática de enfermagem.Foco na prica de Enfermagem

    Diagnóstico de Enfermagem:Nome dado pelo Juizoenfermeiro àdecisão acerca do Fenómeno, o qual éFrequciao foco das intervenções de enfermagem. Um diagnóstico de enfermagem écomposto por Duraoconceitos contidos nos eixos da Classificação de Fenómenos.Topologia

    Local do corpo

    Probabilidade

    Portador

    EIXO ESCOLHIDOTERMOS ESCOLHIDOS

    Fenómenos de EnfermagemFoco da Prática de EnfermagemDorEixo A: Foco na prática clínica

    JuízoExtrema (num nível muito elevado)

    FrequênciaIntermitente

    TopologiaDireitaenos de EnfermagemFen

    Ser HumanoAmbienteLocal do CorpoesAmbiente HumanoFunA PessoaAmbiente Natural

    RazFunes Fisiolicass para a acoiaFicoA FamDiagnósticos de Enfermagem:FunAcA ComunidadeBioles Psicolicasesico-Dor extrema.A Sociedade-Dor extrema, intermitente.Artificial-Dor extrema, intermitente, no pé.-Dor extrema, intermitente, no pédireito.

    CIPE / ICNP-Classificação das Eixos Classificação das acções de enfermagemacções de Enfermagem

    Aces de EnfermagemAcção de Enfermagem:Comportamento dos Tipo de acoenfermeiros na prática.

    AlvoIntervenção de Enfermagem:Acção realizada em resposta ao diagnóstico de enfermagem por forma a Meiosproduzir um resultado de enfermagem. Para a CIPE Tempo/ ICNP uma intervenção de enfermagem écomposto por conceitos contidos na Classificação Topologiados eixos de Acção.

    Localizao

    Via

    Beneficiio

EixosTermos Escolhidos

    CIPE / ICNP-Classificação dos

    resultados de enfermagemTipo de Acção:AliviarEnsinarReduzirTestar

    Alvo:Hábitos de FornecimenDorAnsiedadeExercícioto de água

    Resultados de Enfermagem:A medida ou estado de um diagnóstico de enfermagem em pontos de Grupo Beneficiário:tempo depois de uma intervenção de enfermagem.Comunidade PessoaPessoa(Distributiva(ColectivaPara uma melhor explicação, os Resultados de mente)mente)Enfermagem são o resultado assumido das intervenções de enfermagem, medido ao longo do tempo, tais como alterações efectuadas nos Meios:Técnica de Saco de Materiais de ProtocoloImaginaçãoDiagnósticos de Enfermagem.GeloEnsino

    Intervenções:

    -Aliviar a dor de uma pessoa através da aplicação de saco de gelo.-Diminuir a ansiedade utilizando a técnica de imaginação.-Ensinar os membros de um grupo acerca dos hábitos de exercício, utilizando materiais de ensino.-Testar o fornecimento de água àcomunidade utilizando um protocolo estabelecido

    2 Suporte Teórico: A CIPE/ICNP como linguagem comum para

    a Enfermagem

    Em 1989 decorreu uma Reunião do Conselho Internacional de Enfermagem, em Seul, na Coreia (Reunião de Tlaxcala). Desta reunião emergiu uma proposta para o “ desenvolvimento de sistemas de classificação para a assistência em enfermagem, sistemas de gestão da informação sobre a enfermagem e o conjunto de dados sobre enfermagem afim que todos os países pudessem usar para identificar actividades de enfermagem, descrever a enfermagem e sua contribuição para a saúde.” (F. Affara; T. Oguisso; 1995)1

    Concluiu-se então que:

    - os sistemas actuais de informação sobre enfermagem nos diversos países eram

    inadequados e que não havia ainda utilização de uma classificação de diagnósticos

    ou problemas de enfermagem;

    - cerca de 80% do trabalho de enfermagem não era contabilizado e os restantes 20%

    se enquadravam na categoria de “ tratamentos”, concluindo-se que o trabalho de

    enfermagem não estava realmente documentado em lugar algum.

    Em 1990 o ICN (Internacional Council of Nurses) iniciou um projecto de desenvolvimento da CIPE, com o financiamento da União Europeia sob o nome de Telenurse, com o objectivo específico de estabelecer uma linguagem comum acerca da prática de enfermagem, para ser usada na descrição das situações que requerem cuidados de enfermagem e as respectivas intervenções.

    Em 1996 foi apresentado o resultado preliminar, com a publicação da ICNP (versão alfa) com tradução em português.

    Em Junho de 1999 - foi publicada o ICNP (versão beta), não existindo ainda uma versão em português editada.

    Concluindo, a ICNP passa a constituir um instrumento de referência, suplantando as dificuldades existentes de definição de um Sistema de Informação em Enfermagem (SIE), permitindo documentar o processo de enfermagem na sua globalidade

Segundo Randi Mortensen2 para a CIPE ser útil e largamente aplicada deveria ser:

    - Suficientemente abrangente para responder aos múltiplos objectivos definidos

    pelos diferentes países.

    - Suficientemente simples para ser entendido pelos prestadores de cuidados

    como uma descrição significativa da prática e como um recurso útil de

    estruturação da prática.

    - Consistente com os quadros conceptuais definidos mas não dependente de um

    quadro teórico ou modelo de enfermagem específico.

     1 Fadwa Affara, Enfermeira Consultora do ICN e Directora do Projecto para a CIPE.

    Taka Oguisso, Directora Executiva Adjunta do ICN.

     2 in The Danish Institute for Health and Nursing Research. “Classificação Internacional para a Prática de Enfermagem versão alfa com introdução à Telenurse”

    - Elaborado através de um processo contínuo de desenvolvimento e

    aperfeiçoamento.

    - Incluir diagnósticos de enfermagem, intervenções de enfermagem e ganhos em

    saúde sensíveis aos cuidados de enfermagem

    - Sensível à variabilidade cultural.

    - Reflexo dos valores comuns da enfermagem em todo o mundo (expresso no

    código ICN).

    - Aplicável de forma complementar ou integrada com a família de classificações

    existentes (sistema de doenças e saúde, nas classificações desenvolvidas pela

    OMS).

Assim sendo, a CIPE/ICNP tem como objectivos:

    - estabelecer uma linguagem comum acerca da prática da enfermagem a fim de

    melhorar a comunicação entre os enfermeiros e outros profissionais;

    - descrever os cuidados de enfermagem às pessoas (indivíduos e famílias) nas

    diversas unidades, sejam institucionais ou não institucionais;

    - possibilitar comparar dados de enfermagem com outras áreas clínicas, sectores,

    áreas geográficas e épocas;

    - demonstrar ou projectar tendências na prestação de cuidados e tratamentos de

    enfermagem e na alocação de recursos para os pacientes de acordo com as suas

    necessidades baseadas nos diagnósticos de enfermagem;

    - estimular a pesquisa de enfermagem (investigação) através de dados disponíveis

    nos sistemas de informação em enfermagem e outros sistemas de informação de

    saúde;

    - fornecer informação à tomada de decisão política, isto é, prover dados sobre a

    prática da enfermagem a fim de influenciar decisões na política da enfermagem

    influenciando, posteriormente, decisões na política da saúde.

2.1 - Componentes da CIPE / ICNP

    Desde 1989, o ICN (Concelho Internacional de Enfermeiros) vem desenvolvendo a CIPE/ICNP recorrendo a um processo de 3 etapas: colheita de termos (pesquisando em classificações anteriores), agrupamento dos termos e hierarquização dos termos em grupos estabelecidos.

    Esta hierarquização de termos pode ser visualizada como uma pirâmide de conceitos. Sendo assim uma CIPE ideal terá 3 pirâmides:

    - uma para os problemas/diagnósticos de enfermagem (de forma suplementar a

    classificações existentes por ex. doenças, desvantagens, deficiências e

    incapacidades).

    - uma para intervenções de enfermagem (suplementar a intervenções médicas e

    cirúrgicas)

    - uma para os resultados esperados das acções de enfermagem.

Report this document

For any questions or suggestions please email
cust-service@docsford.com