DOC

INFORMA__ES SOBRE CONCRETO

By Edna Lopez,2014-07-19 18:13
6 views 0
INFORMA__ES SOBRE CONCRETOINFO

INFORMAÇÕES SOBRE CONCRETO

     Os valores mostrados abaixo foram baseados em informações da nova Norma de Concreto NBR 6118

Classes

    Os concretos utilizados no Brasil, de massa específica normal das classes do grupo I indicadas na NBR 8953 são: C10, C15, C20, C25, C30, C35, C40, C45 e C50. Os números indicadores da classe representam a resistência à compressão característica especificada para a idade de 28 dias, em MPa.

    O valor mínimo da resistência à compressão deverá ser de 20 MPa para concretos apenas com armadura passiva e 25 MPa para concretos com armadura ativa. O valor de 15 MPa poderá ser usado apenas em fundações, conforme NBR 6122, e em obras provisórias.

Massa Específica

    Concretos de massa específica normal são os concretos que, depois de secos em estufa, têm massa específica compreendida entre 2000 kg/m3 e 2800 kg/m3. Em não se conhecendo a

    massa específica real, para efeito de cálculo, pode-se adotar para o concreto simples = 2400 c

    kg/m3 e para o concreto armado = 2500 kg/m3. cQuando se conhecer a massa específica do concreto utilizado, pode-se considerar para valor da massa específica do concreto armado, a do concreto simples acrescida de 100 a 150 kg/m3.

Coeficiente de Dilatação Térmica

    Para efeito de análise estrutural, o coeficiente de dilatação térmica pode ser admitido como sendo igual a 10-5/( C.

Resistência à Compressão

    As prescrições referem-se à resistência à compressão obtida em ensaios de cilindros moldados segundo a NBR 5738, realizados de acordo com a NBR 5739.

    Quando não for indicada a idade, as resistências referem-se à idade de 28 dias. A estimativa da resistência à compressão média, fcmj, correspondente a uma resistência fckj especificada, deve

    ser feita conforme indicado na NBR 12655.

    A evolução da resistência à compressão com a idade, deve ser obtida através de ensaios especialmente executados para tal. Na ausência desses resultados experimentais pode-se adotar, em caráter orientativo, os valores indicados na tabela 7.1.

    Tabela 7.1 - Relações fcj/fc, admitindo cura úmida em temperatura de 21 a 30( ?C.

    Cimento Idade (dias)

    portland 3 7 14 28 60 90 120 240 360 720

    0,46 0,68 0,85 1 1,13 1,18 1,21 1,28 1,31 1,36 CP III

    CP IV

    0,59 0,78 0,9 1 1,08 1,12 1,14 1,18 1,20 1,22 CP I

    CP II

    CP V 0,66 0,82 0,92 1 1,07 1,09 1,11 1,14 1,16 1,17

    CP I cimento comum, CP II cimento composto, CP III cimento de alto forno, CP IV cimento pozolânico, CPV cimento de alta resistência inicial

Resistência à Tração

    A resistência à tração indireta fct,sp e a resistência à tração na flexão fct,f devem ser obtidas de

    ensaios realizados segundo a NBR 7222 e a NBR 12142, respectivamente. A resistência à tração direta fct pode ser considerada igual a 0,9 fct,sp ou 0,7 fct,f ou, na falta de

    ensaios para obtenção de fct,sp e fct,f, pode ser avaliada por meio das equações (7.1) a (7.3). fctm = 0,3 fck2/3 fctm e fck em MPa (7.1)

    fctk,inf = 0,7 fctm (7.2)

    fctk,sup = 1,3 fctm (7.3)

     Figura 7.1

    Sendo fckj 7MPa, estas expressões podem também ser usadas para idades diferentes de 28 dias.

    Resistência no Estado Multiaxial de Tensões

    Estando o concreto submetido às tensões principais 3 2 1, deve-se ter:

     1 - fctk e 3 fck + 4 1 (7.4)

    sendo as tensões de compressão consideradas positivas e as de tração negativas

     Figura 7.2.

Módulo de Elasticidade

    O módulo de elasticidade inicial, deve ser obtido segundo ensaio descrito na Norma Mercosul 05:03-0124. Quando não forem feitos ensaios e não existirem dados mais precisos sobre o

    concreto usado na idade de 28 dias, pode-se estimar o valor do módulo de elasticidade inicial usando a equação (7.5).

    Eci = 5600 fck1/2 para Eci, fck em MPa (7.5)

    O módulo de elasticidade inicial numa idade j 7 dias pode também ser avaliado através da

    equação (7.5), substituindo-se fck por fckj.

    Este módulo de elasticidade pode também ser adotado para relacionar tensões e deformações de tração.

    Quando for o caso, é esse o módulo de elasticidade a ser especificado em projeto e controlado na obra.

    O módulo de elasticidade secante a ser utilizado nas análises elásticas de projeto, especialmente para determinação de esforços solicitantes e verificação de Estados Limites de Serviço, deve ser calculado por (7.6). Ver figura 7.3.

    Ec = 0,85 Eci em MPa (7.6)

     Figura 7.3

    Na avaliação do comportamento de uma peça ou seção transversal permite-se adotar um módulo único, à tração e compressão, igual ao módulo secante, equação (7.6). Na avaliação do comportamento global da estrutura permite-se utilizar em projeto o módulo inicial fornecido pela equação (7.5).

     Coeficiente de Poisson e Módulo de Elasticidade Transversal

    Para tensões de compressão menores que 0,5fc e tensões de tração menores que fct, o

    coeficiente de Poisson pode ser tomado como igual a 0,2 e o módulo de elasticidade transversal Gc igual a 0,4 Ec (seja Ec = Ecm ou Ecm,s).

     Diagramas Tensão-Deformação

    1 - Compressão

    Para tensões de compressão menores que 0,5fc, pode-se admitir uma relação linear entre

    tensões e deformações, adotando-se para módulo de elasticidade o valor secante dado pela equação (7.5).

    Para análises no estado limite último, podem ser empregados o diagrama tensão-deformação idealizado mostrado na figura 7.4.

     Figura 7.4

2 - Tração

    Para o concreto não fissurado, pode-se utilizar o seguinte diagrama tensão de tração-deformação bilinear:

     Figura 7.5

Fluência e Retração

    Em casos onde não é necessária grande precisão, os valores finais do coeficiente de fluência

    (t ,to) e da deformação específica de retração cs(t ,to) do concreto, submetido a tensões

    menores que 0,5fc quando do primeiro carregamento, podem ser obtidos, por interpolação linear, a partir da Tabela 7.2.

    Esta tabela fornece o valor do coeficiente de fluência (t ,to) e da deformação específica de

    retração ; (t ,to) em função da umidade ambiente e da espessura equivalente 2Ac/u, onde Ac cs

    é a área da seção transversal e u é o perímetro desta seção em contato com a atmosfera. Os valores desta tabela são relativos a temperaturas do concreto entre 10 e 20?C, podendo-se, entretanto, admitir temperaturas entre 0 e 40?C. Esses valores são válidos para concretos plásticos e de cimento portland comum.

    Deformações específicas devidas à fluência e à retração mais precisas deverão ser calculadas segundo indicação do Anexo I.

    Tabela 7.2 - Valores característicos superiores da deformação específica de retração cs(t ,to)

    e do coeficiente de fluência (t ,to).

    Umidade Ambiente 40 55 75 90

    (%)

    Espessura

    20 60 20 60 20 60 20 Equivalente

    60 2Ac/u (cm)

    to(dias) 5 4,4 3,9 3,8 3,3 3,0 2,6 2,3 2,1

    30 3,0 2,9 2,6 2,5 2,0 2,0 1,6 1,6 (t ,to)

    60 3,0 2,6 2,2 2,2 1,7 1,8 1,4 1,4

    5 -0,44 -0,39 -0,37 -0,33 -0,23 -0,21 -0,10 -0,09 cs(t ,to)

     %o 30 -0,37 -0,38 -0,31 -0,31 -0,20 -0,20 -0,09 -0,09 60 -0,32 -0,36 -0,27 -0,30 -0,17 -0,19 -0,08 -0,09

Report this document

For any questions or suggestions please email
cust-service@docsford.com